Karma não é Destino

Karma não é Destino
Por Traleg Kyabgon Rinpoche. Publicado no site Lions Roar. Tradução livre Equipe Budismo Petrópolis.

Acesse nossas páginas no facebook: budismo engajado e budismo petrópolis

Você não pode negar sua herança kármica, disse o último Traleg Rinpoche, mas isso não significa que não pode mudar.

As críticas ao conceito de karma frequentemente são centradas na noção de responsabilidade individual e sugerem que essa noção gera uma atitude de antipatia em relação aos outros e leva a uma tendência à culpa. O pobre é culpado por ser pobre, e assim por diante. Diz-se, erroneamente, que o budismo culpa os indivíduos por todas as suas circunstâncias e nega-lhes o poder de ação.

Se somos pobres, por exemplo, podemos acreditar, de imediato, que ficaremos assim até acabarem as dívidas cármicas; e então, depois da morte, podemos renascer em circunstâncias afortunadas, quem sabe, nos tornando um rico empreendedor. Entretanto, este tipo de pensamento não combina com a ênfase do budismo na interconectividade de tudo, que confirma a abundante complexidade de influências sobre as pessoas, incluindo seu ambiente.

Certamente o budismo contem a ideia de um acúmulo de carma, impressões, disposições, probabilidades ao longo de nossa vida – padrões de comportamento adquiridos, etc. Mesmo assim, isso não quer dizer que simplesmente esperamos por um karma particular impresso ou dívidas ou heranças que evaporam ou desaparecem, antes que alguma coisa possa ser feita. A teoria kármica do budismo não é semelhante ao fatalismo ou predeterminação. Nós temos poder de escolha (livre arbítrio) em nossas ações. Se não tivéssemos, então a teoria kármica poderia verdadeiramente produzir julgamentos e atitudes moralistas, e os ensinamentos do Buda seriam muito menos inspiradores e muito menos efetivos.

A teoria kármica não tem se fixado em particularidades como essa e não está ligada a uma ordem moral estática. Evidentemente que um elemento de determinismo está envolvido e isso deve ser aceito. Nós somos quem somos por causas de nossa herança kármica.

Poderíamos não ser como nós somos sem essa herança, mas isto não significa que temos que permanecer assim. O ponto em questão é que a teoria kármica nos encoraja a pensar: “Eu posso me transformar na pessoa que eu quero ser e não insistir naquilo que já sou”. Esta seria uma compreensão adequada da teoria budista de karma.

Acesse nossas páginas no facebook: budismo engajado e budismo petrópolis

Traleg Kyabgon Rinpoche nasceu em 1955 em Nangchen, Tibete oriental. Em cerca de dois anos de idade, ele foi reconhecido por Sua Santidade o Décimo Sexto Karmapa como a nona encarnação do Traleg Tulkus, e entronizado como Abade Supremo do Monastério de Thrangu. Na América do Norte, Traleg Rinpoche estabeleceu e foi o diretor espiritual do Instituto Budista E-Vam em Nova York. Foi um dos pioneiros do budismo na Austrália. Faleceu em 24 de julho de 2012 em Melbourne, Austrália.