Direito dos Animais

Entrevista: Matthieu Ricard, monge budista tibetano, autor e tradutor de S.S. o Dalai Lama, phd em biologia molecular, juntou-se ao manifesto para mudar o status jurídico dos animais. Ele explicou ao jornal francês, Metronews, as razões de seu engajamento nesta causa. Clique aqui e veja sugestão de livros dentre os quais um de Matthieu Ricard.

Confira nossas páginas no Facebook: Budismo Engajado e Budismo Petrópolis e no
Instagram Budismo Petrópolis

Porque ter assinado este manifesto?

Porque é uma realidade: os animais são seres sencientes, que tem um direito natural de não sofrer ou pelo menos que não os levemos ao sofrimento. É preciso ser cego para não ver que os animais têm as qualidades idênticas aos homens: empatia, bondade, cuidado com os outros seres… Assim, não podemos tratá-los como robôs ou objetos.

O que este reconhecimento poderá implicar?

Reconhecer que são seres sencientes implica na maneira como nós os tratamos. A maldade já é punida por lei. Mas quando se trata de exploração industrial, a lei é muito ampla. Por exemplo, 20 % dos animais enviados à matadouros ainda estão conscientes no momento em que eles são cortados em pedaços. Isto é inadmissível. Sendo considerados como objetos, é uma desculpa fácil de usar a nosso critério. Os humanos matam 1 milhão de animais terrestres e cinco vezes mais de animais marinhos a cada ano. É preciso ver a verdade. Não pode-se ter uma sociedade mais ética deixando de fora uma seção inteira da vida, que são animais.

É preciso, então, acomodar todos os animais no mesmo barco?

Claro, eles são seres sencientes. É preciso reconhecer todos eles como tais. Pessoalmente, eu não faço diferença entre uma vaca e um cachorro. Os porcos são, de certa maneira, mais inteligentes que os chimpanzés, por exemplo. E se os peixes não têm expressão facial, eles têm um mesmo sistema nervoso que faz com que eles sintam dor. Não se pode negar.

Como a religião budista vê os animais?

Como um ser senciente que não têm a mesma sofisticação do homem – chamado de inteligência – mas como ele tenta evitar o sofrimento e atingir o bem-estar. Esta aspiração deve ser respeitada. Neste sentido, a não violência frente aos os animais é uma extensão lógica do que defendemos para os seres humanos.

Alguns meses depois dessa entrevista o Direito dos Animais foi aprovado pelo congresso francês.

Confira nossas páginas no Facebook: Budismo Engajado e Budismo Petrópolis e no Instagram Budismo Petrópolis