Entrando na cidade da onisciência

Presto homenagem e tomo refúgio na fonte do oceano de realizações: os Mestres, as três Jóias e os bodhisattvas

Conceda-nos suas bênçãos, eu rezo

Que em todas as minhas vidas futuras, eu obtenha um precioso renascimento humano com as dezoito liberdades e vantagens, e seja aluno de um mestre de uma linhagem autentica.

Treinando a minha mente através do estudo, reflexão e meditação que são a fonte de renascimentos superiores e a perfeição suprema, possa eu seguir os preciosos ensinamentos do Buda.

Possa a renúncia, a raiz de toda prática do Dharma, e os quatro pensamentos que transformam a mente, surgirem naturalmente no meu fluxo mental, e possa eu ver o samsara, com suas atividades sem fim, como uma prisão ou um poço em chamas!

Ganhando confiança na infalibilidade do karma, possa eu me esforçar para realizar mesmo a menor ação positiva e abandonar mesmo a menor das ações negativas!

Não sendo predado por circunstâncias adversas, lugares movimentados, companhias que nos distraem, ou qualquer outro obstáculo assim no caminho para a iluminação, possa eu tomar as Três Jóias como meu refúgio e treinar no caminho gradual para seres dos três níveis de capacidade espiritual!

Possa eu abandonar todas as minhas dúvidas em relação ao mestre, a corporificação de todos os sugatas*, e sem cair em uma visão errônea de considerá-lo como um igual, possa eu vê-lo como um verdadeiro Buda!

Dessa forma, possam meu corpo, fala e mente, serem amadurecidos através das quatro iniciações, e assim, possa eu embarcar no caminho do maravilhoso veículo vajra (Vajrayana)!

Por meio de preces e devoção fervorosas, possa a sabedoria da linhagem ser transferida para mim, e possa a minha realização se tornar igual ao espaço!

Aperfeiçoando as práticas de mahayoga do estágio da geração, possa eu vir a perceber o universo inteiro e os seres como as três mandalas e atravessar os quatro níveis de um vidyadhara(detentor da consciência ou aquele que vê), assim como os bodhisattvas Padmasambhava e Vimalamitra!

Aperfeiçoando a prática de anuyoga, possam todos os conceitos de samsara e de nirvana serem purificados no estado de êxtase e vacuidade indivisíveis, e possa eu experienciar o reino puro de Akanistha (um mundo elevado, puro)!

Aperfeiçoando a prática de atiyoga do Dzogpachenpo (Dzogchen), possa toda experiência dissolver-se na expansão da realidade intrínseca, e possa eu ser liberado no jovial corpo vaso, assim como o vidyadhara Garab Dorje!

Em suma, começando com o treinamento na conduta dos bodisatvas, possa o que quer que eu faça, com corpo, fala ou mente, não trazer nada além de benefício para todos os seres sencientes, meus próprios pais!

Qualquer que seja minha situação ou circunstância, possa eu nunca sentir o menor desejo de seguir caminhos mundanos que vão contra o Dharma!

Mesmo se, enquanto sob influência do karma e dos padrões habituais, um pensamento errado me ocorrer, possa ele nunca ter sucesso!

Pelo bem dos outros, possa eu ser destemido e pronto até mesmo para abandonar minha vida, assim como o Príncipe Siddhartha!

Tendo alcançado o estado de espontaneamente realizar o benefício para si mesmo e para os outros, possa eu remexer as profundezas do oceano dos três mundos do samsara por meio das dez forças e dos quatro destemores!

Os budas e bodisatvas fizeram votos de trabalhar na direção da realização de preces de aspirações altruístas como essa.

Homenagem aos sábios que proclamam a verdade!

Possa a força da virtude aumentar!

Possa o poder da aspiração crescer!

Composto por Rigdzin Jigme Lingpa a pedido de Choden do Tibet Oriental.

Sarva mangalam!

  • Sugatas: uma forma que Buda era chamado -De acordo com Bhikkhu Khantipalo, o termo “sugato” pode ser traduzido como “auspicioso”, “afortunado” ou mais literalmente “bem-sucedido”, “aquele que foi para o bem”, “aquele cujo caminhar foi bom”. Isso se refere ao fato de que seu nirvana foi bom e de que seu despertar foi bom para o mundo.

*Rigdzin Jigme Lingpa (Tibet, 1730 ~ 1798) foi um terton (descobridor de tesouros) da linhagem Nyingma do budismo  tibetano, a encarnação (tulku) tanto do rei Trisong Detsen (ano 790 ~858) quanto de Vimalamitra. Também é conhecido como Khyentse Özer, Raios de Sabedoria e Compaixão. Ele descobriu o vasto e profundo ciclo de ensinamentos Longchen Nyingthig como um tesouro da mente.